quinta-feira, 8 de maio de 2014

A pedra

Minha mãe era muito simples, Ficou viúva aos quarenta anos , eu sou a caçula dos sete filhos, e quando meu pai morreu eu tinha seis meses de vida. Avida era difícil, minha mãe fazia doces  e pastéis para vender, lavava roupas e dava refeições ( Pensão como falavam antigamente). Tinha um senhor que pagava pensão para ela, e foi trabalhar em uma firma, construindo pontes sobre um Rio, e trouxe várias pedras, deu uma pedra para minha mãe. Ela colocava sempre esta pedra em cima da mesa da sala, nossa casa muito simples, só tinha uma mesa e quatro cadeiras na sala. Cresci vendo esta pedra em cima da mesa da sala, ela dizia que era o enfeite, eu as vezes pegava a pedra e entrava debaixo da mesa, brincando que a pedra era meu telefone. E sempre minha mãe falava: Não quebra essa pedra ,menina, lembro como ela colocava esta pedra nas mãos e dizia o quanto ela era diferente, achava a coisa mais linda .
Por isso hoje trago esta pedra sempre perto de mim, coloco sempre no meu quarto ao lado da minha cama.
Este bilhetinho, encontrei em seus guardados, alguns dias depois, que ela faleceu.Ela faleceu em 2007 e como vocês podem ver a data deste bilhete, estava guardado com ela desde 75. São as coisas simples que realmente tem importância.
MÃE...
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais...
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu

E apenas menor do que Deus!

3 comentários:

Imaculada Cintra disse...

Que lindo Eni...amei ser seu relato, emocionante!!

Eni Vasconcelos disse...

Obrigada Imaculada Cintra,
foi as crianças da catequese que me fizeram escrever esta história, um dia contei a elas, Tive de levar para elas ver, tocar...ai escrevi...

Liria Nabesima disse...

Amei! lembranças gostosas da infância.